cadastre-se

Cadastre seu email e receba novidades

Facebook

Evento

Rui Costa sanciona projeto que extingue Sudic, CIS e 1.834 cargos comissionados

Rui Costa sanciona projeto que extingue Sudic, CIS e 1.834 cargos comissionados

Rui Costa sanciona projeto que extingue Sudic, CIS e 1.834 cargos comissionados

Rui Costa sanciona projeto que extingue Sudic, CIS e 1.834 cargos comissionados
 
[Rui Costa sanciona projeto que extingue Sudic, CIS e 1.834 cargos comissionados ]
19 de Dezembro de 2018 às 08:04  Por: Vagner Souza/BNews Por: Fernanda Chagas00comentários
O pontapé inicial para o enxugamento da máquina pública foi dado nesta quarta-feira (19) pelo governador Rui Costa (PT). O gestor sancionou, conforme publicado no Diário Oficial, o projeto de Lei de nº 14.032 de 12 de dezembro de 2018. 
 
A sanção modifica a estrutura organizacional da administração e extingue a Superintendência do Desenvolvimento Industrial e Comercial (Sudic), bem como o Centro Industrial do Subaé (CIS).
 
Além disso, foram extintos 1.834 cargos comissionados. Dentre esses, somente na Secretaria de Educação foram abolidos 269 cargos de coordenadores, com salários de símbolo DAI-5 e 39 de secretários administrativos. 
 
No caso da Empresa Baiana de Pesca (Bahiapesca), o poder executivo fica autorizado a realizar operações societárias como cisão, incorporação, fusão, transformação, desativação parcial de seus empreendimentos, redução ou ampliação de capital social, dentre outras que se revelem convenientes e oportunas, conforme consta na publicação. 
 
Já a extinção da Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder) foi vetada conforme publicado pelo BNews, após acordo entre o governador e os servidores da companhia, que que permitirá a saída dos aposentados com o pagamento de dois salários adicionais para cada cinco anos trabalhados, bem como a incorporação do Planserv, dentre outros.  
 
"Ao longo do mandato, nós ultrapassamos o limite de gastos com pessoal. Os gastos de pessoal subiram além do índice que a lei prevê. A lei prevê que nenhum estado pode gastar mais do que 46,17% da receita corrente líquida em gasto de pessoal e nós chegamos a 47%. Porém, toda vez que esse índice é ultrapassado, para o estado não ser penalizado, não ficar impedido de tomar empréstimo, de fazer operações financeiras, o estado tem que tomar medidas para redução de custos e estamos adotando medidas que podem parecer duras, mas são necessárias", disse Rui em entrevista à imprensa ao relatar a crise.
 
Conforme o governo, somente a folha da Educação cresceu 42% em quatro anos, e a folha de pagamento de policiais militares e bombeiros, por sua vez, aumentou 41%.
Fonte: Bocaonews
 
 
 

Deixe seu comentario:


Todos os direitos reservados à FETRAB